Image

Novo e-book no prelo

Neste livro, Sabrina Gledhill analisa as trajetórias e táticas antirracialistas de Booker T. Washington (1856/1915) e Manuel Raymundo Querino (1851/1923), dentro do contexto do Atlântico Negro. Apesar do prestígio que desfrutaram em vida, suas imagens foram dilapidadas após a morte: Washington com a mácula de “comodista” e até “traidor da raça”; e Querino com a imagem de um “humilde professor negro” de parcos poderes intelectuais. A realidade, como os dois educadores negros que são o enfoque deste trabalho, foi muito mais complexa.

Querino foi uma figTAN capa final smallura multifacetada: pintor-decorador, artista, abolicionista, jornalista, líder operário, político, professor de desenho industrial e pesquisador, fundador da historiografia da arte baiana, defensor dos terreiros de candomblé, sócio fundador do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, inspiração para Pedro Archanjo (protagonista de Tenda dos Milagres) e o primeiro intelectual afrobrasileiro a destacar a contribuição do africano à civilização brasileira.

Educador, orador e conselheiro de presidentes dos Estados Unidos, Washington nasceu escravo e chegou a ser considerado o “negro mais famoso do mundo”. Após a Emancipação, trabalhou como zelador para custear seus estudos no Instituto Hampton, fundou o Instituto Normal e Industrial Tuskegee e tornou-se o líder da “nação negra” nos Estados Unidos, tendo como seu maior rival o intelectual negro W.E.B. Du Bois.

Depois de apresentar o contexto em que viveram e traçar as interconexões entre suas realidades, Gledhill analisa suas trajetórias durante a vida e após a morte. Mostra como Manuel Querino poderia ter acesso a informações detalhadas sobre a vida e obra de Washington décadas antes que sua autobiografia mais conhecida, Up from Slavery, fosse lançada no Brasil, traduzida por Graciliano Ramos. Paul Gilroy, o idealizador do conceito do Atlântico Negro, usa a metáfora de navios atravessando o oceano. Gledhill mostra que as “travessias” também poderiam ser realizadas por meio de traduções e da telegrafia.

 

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s